Para quem pensa cometer um suicídio sem dor, alertamos que o suicida não o fará sem dor, muita dor.

domingo, 1 de agosto de 2010

Mais de 9 mil pessoas chegaram ao suicídio no Brasil em 2008, diz Ministério da Saúde

Tema não recebe a devida importância no País, mas ocupa o 3º lugar entre os óbitos não naturais

26 de julho de 2010
12h 35

Leia a notícia

Comentários 3EmailImprimirTwitterFacebookDeliciousDiggNewsvineLinkedInLiveRedditTexto - + Agência Fapesp

SÃO PAULO - Se a cada dia cinco baleias aparecessem mortas nas praias, certamente o fato mereceria as capas dos jornais. De acordo com o Sistema de Informações de Mortalidade do Ministério da Saúde, 9.090 pessoas chegaram ao suicídio no Brasil em 2008, o que corresponde a 25 mortes diárias, mas pouca atenção foi dada ao assunto.







A comparação com as baleias - de uma campanha de prevenção de suicídio australiana, que em vez de “save the whales” usou o trocadilho “save the males”, referindo-se aos cinco homens que, diariamente, matam-se naquele país - e a crítica ao ofuscamento do suicídio são de Neury José Botega, professor titular do Departamento de Psicologia Médica e Psiquiatria da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).





A falta de atenção ao assunto, somada a preconceitos e a ideias errôneas, tem agravado a situação, que já se apresenta como um problema de saúde pública, de acordo com o pesquisador.





Atitudes simples, como maior atenção durante tratamentos hospitalares, podem salvar centenas de vidas, segundo Botega. “Os números são apenas a ponta do iceberg, pois, para cada suicídio, estima-se que haja pelo menos 20 tentativas. E, para cada caso de tentativa que atendemos no hospital, outras cinco pessoas, na comunidade, estão planejando e 17 estão pensando seriamente em pôr fim à vida”, disse o pesquisador à Agência Fapesp.





Esses dados estão no artigo 'Prevalências de ideação, plano e tentativa de suicídio: um inquérito de base populacional em Campinas (SP)', publicado na revista Cadernos de Saúde Pública (CSP) da Fundação Oswaldo Cruz.





Ao visitar 600 residências distribuídas em estratos sociais diversos, o grupo de pesquisa de Botega descobriu que o problema é mais amplo do que se imaginava. O estudo levantou que quase um quinto das pessoas visitadas já pensou seriamente em suicídio ao longo da vida.





Para os pesquisadores, essa proporção deve se repetir em outros grandes centros. São números que não aparecem nos dados oficiais. “Basta dizer que apenas uma em cada três tentativas de suicídio recebe atendimento médico”, disse.





No artigo, os pesquisadores alertam que a escassez de dados é um agravante, uma vez que implica menor conscientização dos clínicos e dos gestores de saúde pública em relação ao impacto do comportamento suicida nos serviços da área.





Em 97% dos casos, segundo vários levantamentos internacionais, o suicídio é um marcador de sofrimento psíquico ou de transtornos psiquiátricos. Em ambos são necessários profissionais de saúde treinados para detectar e tratar adequadamente o paciente durante uma passagem hospitalar, mesmo que ela seja feita por outras razões, como alguém que foi internado por acidente de trânsito, por exemplo.





Segundo trabalhos realizados pelo grupo do professor Botega, gravidez na adolescência é um dos casos que exigem maior atenção de médicos e enfermeiros, uma vez que um estudo apontou que adolescentes grávidas têm três vezes mais chances de tentar suicídio.





Outros estudos demonstraram que os riscos também são maiores com pacientes que sofrem de epilepsia e com dependentes de álcool. O que não quer dizer que outros casos também não devam ser considerados, segundo os pesquisadores.





O professor da Unicamp se baseia em dados de pesquisas que tem coordenado, como “Epilepsia e comportamento suicida na comunidade: um estudo de caso-controle”, realizada de 2006 a 2008, e “Estudos de intervenção breve oportuna no hospital geral”, feita entre 2007 e 2009, ambas com apoio da Fapesp por meio do Auxílio à Pesquisa - Regular.





Investimentos em prevenção





Botega conta que o receio de induzir uma pessoa ao suicídio, ou de ter de carregar uma grande responsabilidade, inibe a maioria dos profissionais de saúde de perguntar ao paciente se ele já pensou no assunto. “É uma ideia errônea. Perguntar sobre suicídio é fundamental para o encaminhamento a um tratamento adequado”, disse.





Além do treinamento dos profissionais de saúde, Botega defende programas simples que podem evitar mortes. O acompanhamento telefônico de pacientes é um deles, e sua eficácia foi comprovada no “Estudo multicêntrico de intervenção no comportamento suicida (Supre-Miss), da Organização Mundial da Saúde (OMS)”, realizado entre 2003 e 2005, também com o apoio da Fapesp.





Inserido em uma pesquisa internacional da OMS, a equipe de Botega conseguiu reduzir em dez vezes a taxa de suicídio entre pessoas que já haviam tentado se matar.





O tratamento consistiu apenas em acompanhar os pacientes por meio de ligações telefônicas periódicas. A experiência foi destacada pela revista Pesquisa Fapesp.





Informar e sensibilizar a sociedade sobre o problema é outra atitude necessária, de acordo com Botega. “Tirar o suicídio da penumbra é fundamental. É preciso uma comunicação ampla e responsável sobre o assunto”, afirmou.





Com esse objetivo, a equipe de pesquisa da Unicamp publica materiais de divulgação como folhetos e cartazes dirigidos tanto a especialistas como ao público em geral, procurando desmistificar o tema e abordá-lo de maneira aberta.





Segundo Botega, o suicídio não recebe a devida importância no Brasil, mas ocupa o terceiro lugar entre os óbitos não naturais, ficando atrás dos acidentes de trânsito (com quatro vezes mais mortes) e dos homicídios (seis vezes mais).





O Brasil apresenta menos de 6,5 suicídios para cada 100 mil habitantes, o que o deixa entre os países com as menores taxas mundiais. Na maioria dos países europeus, por exemplo, esse número é de mais de 13 mortes para o mesmo número de habitantes.





“O que não quer dizer que a quantidade desse tipo de morte seja pequena por aqui, por sermos um país populoso e, também, porque as taxas de suicídio, em algumas regiões e grupos populacionais, se aproximam das mais elevadas do planeta”, disse Botega.





Educação permanente de profissionais de saúde, sensibilização e informação da sociedade, e aplicação de programas eficazes de prevenção ao suicídio baseados em estudos científicos são, segundo o pesquisador, a chave para salvar muitas vidas no Brasil.

O Estadão - Saúde